No primeiro dia

Reflexão para o mês de janeiro de 2023

A melhor parte!

Texto de Ana Luísa Marafona, Comunidade Estrada Clara

“Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada’” (Evangelho segundo São Lucas – Lc 10, 41-42)

Agora que o ano civil chegou ao seu final, costuma ser este o tempo propício para a sociedade fazer os seus balanços e avaliações, idealizando e enumerando projetos futuros. É também por estes dias que muito se fala em escolhas e opções. Em várias etapas da nossa vida somos confrontados com escolhas importantes. A escolha de um curso, de amizades e amores, de um sítio para viver. Também nos deparamos com outras escolhas bem mais banais, a escolha de uma peça de roupa para usar numa festa, a escolha de um filme para ver, a escolha da ementa diária. A sociedade prepara-nos – ou tenta preparar-nos – para sabermos fazer as escolhas mais compensadoras, mais enriquecedoras, em que cada um sai sempre a ganhar. Há cursos para tudo, para que nada falhe, ninguém se confronte com o erro, tudo seja perfeito. Ora, acontece que a vida tem sempre formas de nos dizer que nós somos um processo, um caminho feito de avanços e recuos e que é tantas vezes na fragilidade e no erro que encontramos a possibilidade de descobrir o nosso ser, de saber quem somos.

No Evangelho de Lucas, quando se reúne com as irmãs Marta e Maria, Jesus menciona “a melhor parte”. O que significa escolher a “melhor parte”? Parece óbvio que todos nós aspiramos a esta escolha, a optar pela melhor parte. Ninguém quererá, com certeza, escolher a pior parte. Contudo, muitas vezes, a pior parte acaba por ser mesmo a nossa escolha, precisamente porque não sabemos bem o que significa, para nós, a “melhor parte”. Ao contrário do que a sociedade nos diz, escolher a melhor parte não é querer ter mais, querer comprar mais, querer ser superior aos outros. Escolher a melhor parte implica uma visão mais humanizada, mais empática, mais comunitária. Escolher a melhor parte é, tantas vezes, fazer menos, dizer menos, ser o último, aparentemente escolher a perda, optar pelo que é mais fraco, mais frágil, mais simples. Jesus faz-nos uma promessa, dá-nos uma esperança que não morre ao dizer-nos que “a melhor parte” nunca nos será tirada porque é eterna, porque é caminho infinito, porque não está sujeita à sucessão dos dias e das horas nem à erosão do material. Por isso, a melhor parte raramente será a do sucesso, a das vitórias, a do materialismo, a dos prémios. A melhor parte será sempre aquela em que eu consigo ser mais comunitário, mais presente, mais irmão. A melhor parte é sempre uma possibilidade em cada dia que nos é dado.

Nesta passagem do Evangelho, ao referir-se à “melhor parte”, Jesus chama também a atenção para a nossa essencialidade, para a importância que damos à nossa dimensão espiritual. Estaremos nós ocupados com esta nossa essência? O que fazemos para cuidar do nosso lado espiritual? Como tratamos daquela nossa dimensão que tantas vezes permanece oculta e é aparentemente ausente de valor? Que espaço damos ao cuidado para com aquela nossa vertente que não se encaixa nos estudos, nas profissões, nos sucessos sociais? Como cuido eu de mim quando não sou a profissional, a mãe, a irmã, a dona de casa? Esta passagem do Evangelho de Lucas tem sido, muitas vezes, injustamente mal interpretada, pois tem sido vista numa dualidade antagónica entre a boa pessoa, Maria, e a outra a quem Jesus repreende, Marta. Ou então, entre o favorecimento dado à oração em detrimento da vida ativa, como se fosse possível estancar estas duas vertentes, a da vida orante e a da vida mundana. Na nossa comunidade, nós sempre procuramos que essa separação entre a nossa vida de prática religiosa e a nossa vida como cidadãos do mundo não existisse. Nunca nos vimos como umas pessoas ao fim de semana (na catequese, nos encontros, nas eucaristias) e outras durante a semana (profissionais, membros de uma família, cidadão). Somos sempre um todo, somos um conjunto de tudo o que vamos escolhendo, vivendo, sentindo. O ser humano acaba por sofrer porque vive precisamente esta incoerência, porque se compartimenta em dimensões múltiplas, porque é um quando está a trabalhar, porque é de outra forma quando está em família, porque é ainda de uma outra maneira quando vive os seus ditos tempos livres. Somos todos muito mais completos e verdadeiros se escolhermos ser os mesmos em todas as dimensões da nossa vida. Ser cristão é, antes de mais, querer ser uma testemunha de Cristo, um mensageiro da sua Palavra de Amor, um anunciador de que a Vida é sempre mais. Ser cristão é escolher sempre a melhor parte, o que implica trazer a vida de Jesus para a nossa própria vida. Ser cristão é ser coerente todos os dias. Só assim encontraremos a tal “melhor parte”.

Jesus não condena a irmã que está atarefada a preparar a casa para o receber, mas chama a atenção para o excesso de preocupação que ela parece sentir. Quantas vezes isto nos acontece! Preocupamo-nos tanto em ter tudo preparado, tudo perfeito, para que ninguém nos possa criticar ou para que não haja nenhuma falha e nem nos apercebemos que o momento pelo qual aguardávamos já está agora a acontecer. E acabamos por perder a oportunidade de o viver em serenidade. Saber escolher a melhor parte é sabermos estar disponíveis para o encontro, é sabermos estarmos próximos, é relativizar as pressas e as preocupações, é sentir quando é importante estar, simplesmente estar. Tudo na vida de Jesus nos mostra que não é na perfeição que a vida nasce, não é quando temos tudo preparado que a vida acontece, não é quando dominamos as circunstâncias que a vida se faz vida em abundância. Há que saber acolher e aceitar o que a vida nos dá, o que não é perfeito, o que não dominamos, o que nos parece diferente do que idealizamos, pois é tantas vezes nesses momentos que verdadeiramente encontramos o que andávamos à procura. A tal “melhor parte”. Aquilo a que podemos chamar a nossa sorte grande.

A melhor parte. Saber estar presente. Saber estar perto. Acolher este Jesus Salvador que vem até nós, sem se impor, sem se tornar dominador. Somos nós que fazemos esta escolha. É sempre nossa a liberdade de o escolhermos. Somos nós que lhe damos espaço na nossa vida para Ele nascer a cada dia connosco. Somos nós que abrimos os olhos do nosso coração para o vermos nascer em nós e por nós. E para, como Maria, nos sentarmos com Ele e sentirmos que, com Ele, viveremos sempre a melhor parte. A nossa melhor parte. A nossa sorte grande.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *