10 anos de Papa Francisco

13.03.2023

Hoje celebramos os 10 anos do Pontificado do Papa Francisco.

10 anos de um Papa que soube trazer para uma Igreja, tantas vezes adormecida, um caminho novo que nos pede para voltarmos às origens e para saborearmos a simplicidade de uma vida dedicada ao(s) Outro(s).

10 anos de um Papa que nos mostra em cada dia a urgência de sermos cristãos de Ressurreição, pessoas em crescimento, em construção de uma fé adulta e sempre alicerçada na esperança.

10 anos de um Papa que, como ele próprio afirmou, o foram “buscar ao fim do mundo” para ser ele, neste tempo, a mostrar-nos agora um mundo novo.

10 anos de um Papa que vive o maior dos mandamentos cristãos – o do Amor. Aquele Amor que salva, que acolhe, que acompanha, que nos leva pela mão, que nos faz ser filhos de um Deus Maior.

10 anos de um Papa presente, interpelante, apaziguador, atento, perspicaz, orante e pensante.

10 anos de um Papa incómodo para quem vive uma fé instalada, confortável e cheia de respostas prontas.

10 anos de um Papa demasiado “moderno” para quem se amarra aos tradicionalismos ocos e desprovidos de sentido e que impedem o olhar para a essencialidade de cada ser humano.

10 anos de um Papa mariano que, à semelhança de Maria, soube dizer o seu “sim” mesmo não sabendo nada, mas apenas confiando e esperando.

10 anos de um Papa construtor de diálogos improváveis, de pontes que são só união, de estradas que são autênticas viagens de Emaús.

10 anos de um Papa destruidor de preconceitos, de julgamentos severos, de ideias mesquinhas que só limitam o desenvolvimento integral da Humanidade.

10 anos de um Papa de sorrisos e de afetos, de abraços amigos e de bênçãos calorosas porque ele sabe que o acolhimento deve ser sempre a marca indelével de cada cristão.

10 anos de um Papa sem aparato, sem vaidades, sem presunções a contrastar com uma sociedade que parece só viver a partir da exuberância e do exagero.

10 anos de um Papa feliz. “Estou feliz porque me sinto feliz. Deus faz-me feliz.”, disse numa entrevista recente.

Obrigada, Papa Francisco! Que privilegiados somos por podermos viver no mesmo espaço temporal. Mas, acima de tudo, por amarmos e sermos amados pelo mesmo Deus.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *