Uma geração em caminho

Reflexão para o mês de novembro de 2023

Texto de Ana Luísa Marafona, Comunidade Estrada Clara

“Esta é a geração dos que procuram a vossa face, Senhor” (Salmo 24)

A fotografia que acompanha este texto tem quase vinte anos e retrata uma das partes do nosso musical “Jesus é Vida!”. Na primeira parte deste musical, um grupo de jovens junta-se para fazer um trabalho para a escola acerca da figura de Jesus Cristo. Entre pensamentos e opiniões, músicas e danças, perguntas e respostas, esta primeira parte encerrava com a conclusão a que aquele grupo chegou: Jesus foi muito mais do que uma figura histórica relevante e é Ele que continua a ser aquele que nos faz caminhar, navegar, seguir nesta viagem que é a vida toda de todos os dias. Vinte anos passados, esta figura de Jesus continua a provocar a mesma procura, a mesma inquietação, o mesmo desejo de conhecimento. E muitos jovens daquele grupo, agora já mais adultos, continuam, em comunidade, a percorrer uma Estrada Clara de descoberta e de procura…

Num dos dias litúrgicos mais luminosos do ano, a Solenidade de Todos os Santos, cantávamos, com o salmista, “Esta é a geração dos que procuram vossa face, Senhor.” Dei por mim a pensar nesta geração a que o salmista faz alusão, a esta geração que procura encontrar o seu maior tesouro – Deus! Sempre essa grande questão da Humanidade! A procura de Deus. A palavra que mais grita neste salmo é esta, a da geração. Da geração que procura, que vai em busca, que quer descobrir. Não uma geração estática, parada, imóvel. Mas uma geração que caminha, que faz caminho, que se projeta no futuro a partir do presente. Que assume certezas e dúvidas, respostas e perguntas. Que carrega medos e dores, alegrias e euforias. Uma geração que se levanta e vai. Uma geração que não desiste, mas insiste em ser, em ir, em fazer. Esta é a nossa geração. Estes somos nós. Com as nossas luzes e sombras, qualidades e defeitos. Filhos amados de um Deus que é Amor e que, por isso, é por nós procurado. Muitas vezes, não lhe sabemos dar um nome, uma identificação. Sabemo-nos à procura, mas receamos dizer que é Deus quem nós buscamos. Mas Ele está à nossa espera. É Ele que é a nossa espera, o nosso tesouro, a pérola encontrada.  

No salmo, o autor não se refere à geração como sendo acabada, terminada, que procurou e encontrou o que queria. Pelo contrário, ele faz referência à geração que continua a procurar, a viver. Porque a vida é este processo inacabado, de formação, de construção, de corta e volta a coser, de avanços e recuos. Cada um de nós é este processo. Único. Original. Com o seu modo próprio de olhar, de rir, de falar. Somos o que seremos, dizia o professor Costa Santos no Curso Teológico-Pastoral que frequentámos. Somos o que seremos porque nada está terminado, fechado, encerrado. A última palavra não é a nossa. Nós estamos a ser. Nas nossas escolhas e opções. Somos em liberdade. Deus não nos impõe nada. Deus apenas propõe. Um caminho, uma via, uma estrada.

Há um paradoxo no caminho sugerido por Jesus Cristo: só nos podemos encontrar a caminho quando confiamos naquilo que não vemos, naquilo que desconhecemos. O Cristianismo não é uma apólice de seguro, não nos faz imunes à tristeza e ao sofrimento, não nos garante uma vida despreocupada e imune a bloqueios. Mas o Cristianismo dá-nos a garantia de que há um Deus que me ama, independentemente das minhas fragilidades, das minhas dúvidas, dos meus abismos. E quanto mais eu me aproximo deste Deus, quanto mais eu me disponho a conhecê-lo, quanto mais eu o procuro, mais eu me sinto seguro, tranquilo, amparado. E sigo caminho. E este caminho é muito mais completo quando é feito em conjunto, em comunidade. O salmista não menciona o “Eu” que procura a face de Deus, mas sim toda uma geração, uma família, uma comunidade que caminha. Seguir Jesus Cristo não é um percurso solitário. Seguir Jesus Cristo é escolher viver o nós, os outros, na comunidade. Por isso, ser cristão é uma tarefa, simultaneamente, exigente e libertadora, bela e dorida. Somos cristãos porque o somos com os outros. E isto implica confiança e entrega, disponibilidade e acolhimento.

Um dos obstáculos que nos impede de querer pertencer a esta geração que procura é a necessidade que humanamente temos de mapas, guias, orientações concretas que nos salvem da imprevisibilidade e das casualidades. Desejamos, em maior ou menor grau, um manual de instruções para todos os acontecimentos da vida, horários que nos salvem do que não sabemos, orientações que nos protejam do que não vemos. Mas a vida é tudo menos estanque. A vida é movimento que nos põe em movimento, é dança incontrolável que nos leva nas asas do vento, é desafio a ser abraçado e resolvido.

Outro destes obstáculos é o orgulho, a auto-suficiência. Julgamo-nos tantas vezes superiores à vida, senhores dominadores dos acontecimentos, mestres de planos traçados e intransigentes. Achamos que não precisamos de aprender a olhar a vida com humildade e serenidade e acabamos por deixar que a vida nos aconteça muitas vezes ao acaso. Recusamo-nos a olhar o que nos é dado viver com a alegria das pequenas coisas, com a beleza dos detalhes escondidos, com o coração a bater no ritmo da irmandade. Usamos a desculpa da falta de tempo quando o erro está no uso que fazemos desse tempo que nos é dado.

A Igreja é constituída por homens e mulheres em caminho, na vida de todos os dias, que escolhem não desistir, não ceder, não parar. Que trazem consigo as quedas, mas também a alegria da elevação. Que se abandonam nas redes da confiança que se fortalecem entre quem se sente e é irmão no Amor. Que tantas vezes se afastam da própria Igreja, mas que, mais tarde, a ela voltam para retomar este caminho interrompido e continuar a procura desejada.

Somos esta geração. Jovens e adultos. Hoje. Com etapas vividas, percorridas, atravessadas. A geração variada, múltipla que segue o caminho. Que é viajante, nómada, enamorada. Que é peregrina. Que sonha e desespera. Que acredita e questiona. Que não sabe onde vai chegar, mas sabe com quem caminha. Que valoriza a procura, o processo mais do que o resultado ou a conclusão. Que não se deixa cristalizar ou instalar no defeito, no egoísmo, no individualismo. Que pode partir de diferentes pontos, mas que se encontra na busca pela essencialidade. Que aceita fazer viagem na lógica do provisório, do incerto, do imperfeito. É uma geração em movimento, em trânsito repleto de encontros e reencontros. Porque, ao estar em procura, esta geração está a ser, a fazer-se, a acontecer-se. E isto é o que verdadeiramente importa! Todos os anos, ouvimos o salmista louvar esta geração. Daqui por muitos anos, o salmista continuará a exaltar esta mesma geração que será a do tempo futuro. Isto é a magnificência de Deus, que nos encontra a todos no sítio certo, no tempo desejado, no caminho vivido. Que saibamos continuar a fazer estrada juntos, entrelaçados em abraços de alegria, em risos de comunhão, em cânticos de festa. De mãos dadas e a caminho. Com Ele, por Ele e para Ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *