Vamos!

Reflexão para o mês de março de 2024

Texto de Ana Luísa Marafona, Comunidade Estrada Clara

 “Se conhecesses o Amor de Deus, tu correrias até o encontrar.» (a partir do Evangelho segundo São João 4, 1-29)

“Se conhecesses o amor de Deus, tu correrias até o encontrar” cantamos no refrão de uma das músicas mais bonitas que o Jorge compôs. Nesta simples frase condicional está toda a condição de vida do Cristão, está toda a razão do movimento humano – o Amor. Mas não um amor qualquer, não um sentimento passageiro, não uma mera emocionalidade. O Amor de Deus é aquela força maior que ultrapassa todo o entendimento humano, que nos torna fortes nas nossas fragilidades, que nos faz capazes de ver o que é invisível. Por isso, ter a possibilidade de poder viver este Amor maior é o maior dos presentes que podemos receber. Ou como gostava de dizer o Jorge, é uma “riqueza”. Quando escolhemos viver cada dia nosso guiados por este Amor de Deus, a vida torna-se muito maior porque o nosso coração está mais disponível para acolher, para se doar, para compreender. E quando encontramos este Amor, não há outro querer a não ser o de corrermos para ir ao encontro de quem nos ama tal como somos.

Deus sonhou-nos para a felicidade. Há dentro de cada um de nós um grito de vida que nasce connosco e que é esta vontade de nos sentirmos plenos. E esta plenitude, buscada em tantos lugares, procurada em tantos espaços, só é vivível quando nos deixamos levar pelo amor de Deus, ou seja, quando escolhemos viver com a nossa vida a vida que Deus criou para nós. Uma vida que não está isenta de sofrimento, mas que é acompanhada amorosamente nesse sofrimento. Uma vida que nem sempre é aquilo que nós esperávamos que fosse, mas que se enche da presença divina nas novidades que vão surgindo.

“Se conhecesses o amor de Deus, tu correrias até o encontrar”. O verbo correr é, sem dúvida, uma das palavras ilustrativas da geração a que pertencemos. “Andas sempre a correr”, “Já vais embora a correr”, “Andei o dia todo a correr de um lado para o outro”, são alguns exemplares inseridos nos diálogos que atualmente vamos mantendo uns com os outros durante as nossas maratonas diárias. E, tantas vezes, nos acomodamos e até nos alegramos com estas correrias desenfreadas, que nos roubam tempo e espaço para podermos simplesmente ser… Os dias esmagam-nos, a agitação diária corrompe-nos, leva-nos tantas vezes a alma e, se não estivermos atentos e preparados, deixa-nos mesmo na lama. Vivemos como se tudo dependesse só de nós, como se tudo fosse sempre de possível controle, como se conseguíssemos eliminar todos os imprevistos da vida. Envaidecemo-nos com os dias cheios de compromissos e obrigações, onde tudo nos parece importante e insubstituível. Colocamos todo o nosso esforço e dedicação em tantas coisas efémeras e passageiras. Adjetivamos as horas do dia como rentáveis e descartamos a quietude e o prazer que advém daquilo que é tão simples. No nosso íntimo, sabemos que há algo de errado nesta forma de viver e até desejamos mudar, mas nem sempre conseguimos. Há sempre motivos e razões válidas que nos mantêm nesta corrida. Investimos nos troféus errados, gastamo-nos em tarefas que se esgotam a si próprias e passamos a ser só um mero instrumento de trabalho sujeito à erosão dos dias. E as vidas enchem-se de frustração, de expectativas não superadas, de desilusões dolorosas.

É então precisa coragem para sabermos dizer não a esta lógica mercantil que domina a vida humana. É precisa assertividade para não nos deixarmos deslumbrar pela vaidade de sermos reconhecidos. É precisa determinação para não nos transformarmos em números e percentagens. É preciso ser diferente para não nos deixarmos paralisar pelas exigências mundanas. É preciso querer seguir uma vida simples sem desistir quando chega o primeiro obstáculo. A perseverança não é um caminho de facilidade, mas leva-nos à essencialidade daquilo para o qual fomos chamados. Há que viver com atrevimento e ousadia numa sociedade que nos quer impor um pensamento exclusivamente racional e, por isso, limitador.

Há um imperativo da aceleração que devemos combater. Devemos parar. Para pensar. Para refletir. Para nos encontrarmos. Para nos questionarmos. Para onde corremos nós? O que nos move? O que nos motiva a fazer caminho? O que preenche o meu coração? O que levo nas minhas mãos? O que me faz dizer sim? O que dou de mim à vida que me foi dada? Corro para quem? Onde e a quem entrego o meu coração?

 “Abdica e serás rei” é um dos versos mais iluminados de Ricardo Reis. Foi precisamente esta a escolha de Jesus e a dos muitos homens e mulheres de boa vontade que lhe seguiram. Abdicar não implica perder. Abdicar não é ficar com o prémio de consolação. Abdicar é sinónimo de dar oportunidade a que a minha vida e a pessoa que eu sou ganhem mais espaço para ser. Abdicar do que é negativo, do que me aprisiona, do que me faz sucumbir às minhas fragilidades, do que me afasta da minha verdade. Abdicar do ter tudo para poder ser tudo. Abdicar das máscaras que me escondem para abraçar a verdade do que sou. Aquilo que vou sendo depende muito mais daquilo que abdico do que daquilo que conquisto.

O Cristianismo é altamente desafiador porque quem quer viver no concreto a ideologia cristã tem de aceitar viver num mundo às avessas. O Cristão é aquele que dá sem troca, que ama contra o ódio, que acolhe o que é desprezado. O Cristão é aquele que assume a lógica da salvação gratuita num mundo em que tudo é comercializado e comercializável.

Por isso, o Cristianismo salva-nos na medida em que a mensagem cristã nos garante que podemos ser apenas quem somos, sem necessidade de títulos ou papéis, carreiras ou prémios. Aos olhos de Deus, somos únicos e irrepetíveis e o que verdadeiramente importa (e efetivamente salva!) é aquilo que trazemos no nosso coração e o que fazemos pelo bem comum. Por meio de seu filho, Deus deixa-nos a maior das promessas: ele estará sempre connosco até ao fim do nosso tempo. É esta promessa que nos salva e nos leva a viver cada dia ancorados na confiança e na persistência deste amor.

Gosto muito da fotografia que escolhi para acompanhar este meu texto. Nela vejo a Clarinha e o Tomás – os meus amados sobrinhos do coração – quando eram mais pequeninos. Não lhes vejo as expressões, mas adivinho-lhes a alegria gigante e a felicidade plena que sentem por poderem estar no meio da natureza. Sinto-lhes a liberdade de poderem ser quem são sem preconceitos nem medos paralisantes. Decifro-lhes o entusiasmo maior de seguirem caminho acompanhados na irmandade. Eles sabem para que(m) correm. Eles sabem bem porque correm. Correm com o coração pequenino mas cheio de uma vida grande. Correm pelo coração maior a transbordar de vontade de encontrar o Infinito. Corramos também junto com eles! Não nos detenhamos, não nos boicotemos. Não tenhamos medo de escolher o que realmente importa! Não tenhamos receio de nos darmos, de fazermos comunidade, de participarmos sem reservas no dom gratuito que é a maravilha de viver. Quem compreende o Amor de Deus, compreende que a vida quer viver, que é sempre mais forte, mais soberana. Que esta alegria tão pura e doce nos contagie e nos faça também correr, sempre com vontade e decisão, ao encontro da nossa Terra Prometida.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *